Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Como provar um vinho

Aprenda a provar o vinho com base em 4 simples passos. Este método é muito simples e pode ser executado por qualquer pessoa, tem por base os melhores métodos dos profissionais e dos Sommeliers.

1. Ver
Confira a cor, opacidade e viscosidade. Não precisa de mais de 5 segundos nesta etapa.














2. Cheirar
Escolher pelo menos dois sabores e demorar o tempo que for necessário identificando-os. Existem 3 tipos de aromas de vinho:

Aromas Primários: vem das uvas, como as frutas, vegetais e notas de flores.
Aromas secundários vem da fermentação e dos aromas da levedura.
Aromas terciários vem do envelhecimento, oxidação e carvalho, tais como especiarias cozimento, aroma de nozes e baunilha.

3. Provar
Dois elementos compõem os gostos: sabor e a estrutura.

Sabores tais como limão, framboesa ou côco.
Estrutura, tal como o nível de doçura, corpo, álcool, acidez, e taninos: perguntam vocês o que são os taninos? Os taninos são componentes encontrado em todos os vinhos, mas com maior percepção nos vinhos tin…

Pacheca Branco 2013

Trago-vos uma excelente experiência com vinho branco. Pacheca Branco 2013 oferece-nos aquele momento de equilíbrio e sabor prolongado de frescura. É um vinho jovem, fresco e sobretudo leve e vibrante. Produzido pela Quinta da Pacheca no Douro, mostra-nos um design sóbrio e de uma cor límpida. apresenta-se com um forte aroma e sabor a maracujá o Pacheca Branco 2013 entrega-nos a promessa de um bom convívio e conversa à volta de um vinho cheio de vivacidade, com uma acidez bem controlada e com notas de muita fruta num tom adocicado. É um vinho que apesar de jovem é muito sofisticado. O Pacheca Branco 2013 é um vinho do Douro, pertencente à Quinta da Pacheca, com as castas Cerceal, Malvasia Fina, Gouveio, Moscatel Galego Branco e Viosinho. Praticamente todas as castas combinam este tipo de sabor, floral, frutado e adocicado. Recomendo vivamente a experiência. Nota: 8.3 (0-10)

Volteface Tinto Reserva 2011

Então cá vai mais um vinho tinto. O Volteface! À primeira vista temos um rótulo que nada nos diz, mostra-nos uma máscara. Prima pela diferença e quer chamar atenção. Alinhamos... Tem algo de festivo, o que de certa forma nos convida a bebê-lo. No contra-rótulo encontramos a informação, temos a informação das castas, da região, o ano e o enólogo.
Alentejano, feito à base de duas castas Alicante Bouschet, maioritariamente e Syrah.  A uva Alicante Bouschet foi criada por Henry Bouschet, entre 1865 e1885, em França, resulta do cruzamento das castas Petit Bouschet e a popular Grenache. Inicialmente foi plantada no sul da França, principalmente na região do Languedoc, e sempre foi considerada como uma casta de qualidade inferior. No entanto, o Alicante Bouschet chegou ao Alentejo em 1900, com Invernos frios e Verões quentes e secos, solos profundos e não muito pobres, com disponibilidade de água ao longo de todo o ciclo, o Alicante Bouschet passou a produzir vinhos de óptima qualidade. Co…

Tyto Alba Vinhas Protegidas 2012

Este é um vinho com história e com uma capacidade de se distinguir dos outros vinhos. Desde logo porque tem uma história para contar ligada ao ambiente e ao respeito pelo ecossistema, pois reduz na sua produção a emissão de carbono, através de uma série de passos ligados ao consumo de energia. Reduz o consumo de água e até de tratamentos das vinhas. É notável o posicionamento da Companhia das Lezírias.
Tyto Alba é a origem do nome de coruja-das-torres. É dá ao nome ao vinho porque confere para além do significado, um papel na Companhia das Lezírias, o de afastar o coelhos das vinhas venhas. As vinhas são guardadas pelas corujas.
O Tyto alba 2012 é feito de Touriga Nacional, Touriga Franca e Alicante Bouschet. É um vinho fantástico. Mas quase que estragamos a experiência. Os vinhos são vendidos nos restaurantes sem nenhum cuidado, a temperaturas ambientes que chegam a estar nos 24 graus. Uma das grandes indicações e cuidados dos produtores e enólogos seria fornecer a temperatura a que o …

ALÌSIA Pinot Grigio 2014

Não querendo dar grande ênfase aos vinhos estrangeiros, não porque não são bons, mas porque o que temos em Portugal é de excelente qualidade e ainda há muito que provar. Mas.. surgiu a oportunidade e sabemos que podemos também encontrar vinhos muito bons estrangeiros e ter outras experiências. Hoje escrevo-vos sobre um vinho branco italiano, que está à venda em Portugal.
Itália tem muitas regiões produtoras de vinhos, Piemonte é considerada a maior região produtora e que dizem ser a responsável pelos melhores vinhos produzidos em Itália. Depois existe a Toscana, onde estão os famosos Chianti. Depois Vêneto, Abruzzo e Lombardia e Trentino e outras tantas, não menos conhecidas. Itália será um dos países com uma das maiores complexidades de produção de vinho, existindo perto de 350 tipos de vinhos oficiais e alguns rumores que marcam mais de 2000 castas. Extraordinário! Podemos quase não viver para provar tudo...se assim for.
O Alìsia Pinot Grigio 2014 é produzido por uma das maiores regiõ…

EDHO Douro Grande Reserva 2009

O objectivo deste blog era escrever todos os dias sobre um vinho. Apercebi-me que para o fazer tinha de andar sempre avinhada, o que não é bom. De forma que vou mais devagar, mas sempre a identificar bons vinhos. Então cá vai. Mais uma prova de um vinho absolutamente estupendo, que, desde já, vos aconselho. Posso dizer-vos que este será um dos melhores vinhos tintos que já provei. Trata-se de um Grande Reserva de 2009, que estava ainda nas mãos do produtor e que gentilmente nos cedeu umas garrafas. Não sei onde o poderão arranjar nesta altura. Pois já não se encontra no mercado. Acho eu, sem certezas. Do que vi nada se escreveu sobre este vinho, mas é como vos disse outro dia os pequenos produtores ficam para trás, pois não têm a máquina de marketing e promoção dos grandes. Este é um excelente exemplo disso.  Mas adiante este vinho foi produzido porNatália Neuza Correia Cigarro Brás. Por de trás estão quatro quintas centenárias no Baixo Corgo do Douro, Alto Douro Vinhateiro, num cenário…

Lolita Wine on The Rocks Finkus Collection 2011

Quando se bebe tem de se escrever freneticamente sobre este vinho. Mas vamos por partes desta experiência. Quando vemos a garrafa ficamos apaixonados pelo rótulo, bonita garrafa e cápsula. Pela capacidade de criatividade e o convite a desfrutar a ousadia do produtor, que prima pela inteligência arrojada de romper com algumas verdades que estamos acostumados. Mas vamos à prova! Motivada pelo rótulo, rodo o copo, cheiro e provo. O vinho está quente. A primeira sensação não é boa. Pedimos para arrefecer. Claro que não temos termómetro, mas dá para perceber que não pode ser servido àquela temperatura. Voltamos a provar. Continua a precisar mais de frio. Colocamos mais tempo no frio. Quando servimos novamente, o vinho está ligeiramente abaixo do que é normal, mas tenho que vos dizer: absolutamente fantástico! É fresco e vibrante, é um daqueles tintos fáceis de beber. Tão fácil que ainda não tinha vindo tudo para a mesa e já não havia vinho na garrafa. Visualmente é um vinho brilhante e clar…