Avançar para o conteúdo principal

Vinho para envelhecer

Deve o vinho ser bebido entre os 3 ou 4 anos seguintes ao seu ano?

De facto, ainda ninguém me conseguiu dar uma explicação para este facto. Porque é que os franceses continuam a abrir garrafas Château Margaux da década de 60 como se de relíquias se tratasse e para outros vinhos não.
Claro que os vinhos que se podem guardar para envelhecimento são os reconhecidamente bons. Ou seja, aqueles vinhos de posicionamento mais alto. Mas quais? Mas em Portugal quando temos um vinho de 2005 a resposta é "já está estragado", "isso já não presta", a não ser que sejam as Barca Velhas ou outros do estilo. Será que é mesmo assim? Não sempre!

Há uns tempos atrás disseram-me que para guardar era melhor ser reserva. Cá está, reserva é um vinho melhor que os outros, regra geral. Mas claro que não existe uma explicação cabal sobre o que se pode guardar e o que não se pode.  Vi outro dia uma garrafa de Barca Velha à venda já muito antiga, não me recordo o ano exacto, mas deveria ter há vontade mais de 50 anos. Estava visivelmente alterada pois o vinho já estava abaixo do gargalo. Mesmo assim à venda por uns milhares de euros.
O ponto que quero expressar nem tem a ver com o facto de se guardar ou não guardar o vinho ou este ser bebido ou não nos 3 ou 4 anos sequentes ao seu engarrafamento. Parece que afinal o vinho reconhecidamente como valioso pode ser guardado. Mas e o outro? Também pode, digo-vos eu. Outro dia abri uma garrafa com 17 anos o Gricha Churchill’s, era simplesmente uma garrafa de vinho do Douro, sem ser reserva ou grande reserva. Estava absolutamente fantástico. Abri também ontem uma garrafa de Duas Quintas de 2006, soberbo. Acontece que nenhum destes dois era reserva ou tinha qualquer outro atributo que pudesse prever a sua boa conservação. Num a rolha estava ligeiramente à superfície com bolor, como disse ligeiramente o que me fez crer que o podia não estar bom, mas o resto da folha estava perfeito, praticamente 99% da rolha. Foi uma feliz experiência e uma curiosidade ainda maior sobre esta questão de envelhecimento do vinho.

Agora, inequivocamente, existem condições para guardar o vinho para ser bebido anos depois. Essas condições têm a ver com a temperatura e com a luminosidade. Por isso as garrafeiras são frias e escuras. Fornecendo a capacidade de conservação necessária. Nisto temos de ser rigorosos. Não se pode guardar vinho em pé, com excesso de luz ou calor.

O beber vinho antigo confere uma áurea romântica ao momento. Beber um vinho velho transporta-nos para aquele ano e dá-nos a ideia de estarmos a partilhar algo que ficou longe mas que está ao nosso alcance. Beber um vinho do nosso ano de nascimento, da data do nosso primeiro amor ou do nascimento do nosso primeiro filho, dá-nos a experiência das memórias da nossa vida. Para além disso um vinho e acima de tudo envelhecido conseguiu mais aromas e uma textura suave que não conseguimos com um vinho jovem, pode ser uma experiência absolutamente maravilhosa.

Dizem que apenas 1% da produção mundial está capaz de ir para envelhecimento. Por essa razão mais memorável é beber um vinho antigo que está em condições para ser bebido. Mas será mesmo assim? Apenas 1%?

O vinho envelhecido guarda ou não mais atributos? Ou seja, o vinho pode ganhar melhores características com os anos ou não? Mas nunca o saberemos se não o guardamos e bebermos anos depois.


Boas experiências!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O vinho é de todos

Já poucos são os que se deixam intimidar pelas críticas, considerações ou gostos e tendências marcadas pelos escanções ou sommeliers sobre o vinho. Cada vez mais o vinho está a popularizar-se na curiosidade, na experiência e na procura de conhecimento. Muitos são aqueles e aquelas que querem estar no mundo do vinho, fazendo disso a celebração da vida, sem que isso seja uma profissão ou um oráculo a que só uns têm acesso, arriscando compras arrojadas e experimentando vinhos pelas castas, pelas regiões, experimentando sem que isso seja condicionado pelo que vêem ou lêem.
Para a popularidade do vinho contribui a crescente oferta com maior informação e maior acesso. Contribui certamente uma oferta diversificada e sustentada com maior acesso à informação e imagens mais trabalhadas do vinho. Mas sobretudo a qualidade dos vinhos. Os produtores estão cada vez mais activos no processo de criação de um vinho e proximidade com o consumidor, são construtores de marcas sólidas com histórias para co…

Segredos de S. Miguel Reserva 2013

Deixo-vos aqui outro vinho da Herdade de S. Miguel. Já tínhamos provado o Herdade de São  Miguel Branco, com excelente nota. Desta feita o Segredos de S. Miguel Reserva Tinto 2013.
A Herdade de S. Miguel, deste vinho, está situada no concelho do Redondo, no Alentejo. Apresenta-nos nesta marca o Branco, Tinto, Rosé e Reserva Tinto. 
O Segredos de S. Miguel Reserva 2013 é um vinho Reserva Tinto reconhecido mundialmente, uma vez que foi distinguido no concurso mundial de vinho 2014 com uma medalha de prata.
As castas seleccionadas para o Segredos de S. Miguel Reserva 2013 foram Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca e Touriga Nacional.
É um vinho com uma cor rubi densa, o aroma é frutado e muito bem estruturado. Na boca no início percebe-se a madeira e baunilha, tem notas de especiarias e de chocolate no final. O final é prolongado e muito suave. Nota: 8.1 (0-10)

Subsídio Tinto 2013

Excelente vinho tinto Alentejano. A trazer orgulho à região do Alentejo, este tinto pertencente à casa Lima Mayer. Com as castas , Alicante Bouchet, Syrah e Cabernet Sauvignon, confere ao vinho tinto estrutura e ao mesmo tempo leveza com muitos toques de frutos o que o torna muito agradável para uma tarde descontraída de Outono. Sente-se a fruta do vinho, quando se bebe existe uma sensação adocicada de cereja, algo prolongado o que faz deste vinho tinto mais suave.  As castas do subsídio no que confere a aromas e sabores conferem sabores intensos, complexos, firmes e muita cor, o que faz do Subsídio Tinto de 2013, um bom vinho que recomendo. Nota: 8.5