Avançar para o conteúdo principal

ALÌSIA Pinot Grigio 2014


Não querendo dar grande ênfase aos vinhos estrangeiros, não porque não são bons, mas porque o que temos em Portugal é de excelente qualidade e ainda há muito que provar. Mas.. surgiu a oportunidade e sabemos que podemos também encontrar vinhos muito bons estrangeiros e ter outras experiências. Hoje escrevo-vos sobre um vinho branco italiano, que está à venda em Portugal.

Itália tem muitas regiões produtoras de vinhos, Piemonte é considerada a maior região produtora e que dizem ser a responsável pelos melhores vinhos produzidos em Itália. Depois existe a Toscana, onde estão os famosos Chianti. Depois Vêneto, Abruzzo e Lombardia e Trentino e outras tantas, não menos conhecidas. Itália será um dos países com uma das maiores complexidades de produção de vinho, existindo perto de 350 tipos de vinhos oficiais e alguns rumores que marcam mais de 2000 castas. Extraordinário! Podemos quase não viver para provar tudo...se assim for.

O Alìsia Pinot Grigio 2014 é produzido por uma das maiores regiões, no Norte da Itália, Vêneto. A região de Vêneto é uma das regiões importantes de produção de vinho em Itália. O vinho é monocasta  Pinot Grigio, o equivalente a Pinot Gris dos franceses. O produtor é a Astoria, um pequeno produtor com 40 hectares situado nas lindíssimas colinas desta região.

Engarrafado numa garrafa original e menos clássica, timbrada no vidro, tem um toque elegante e sofisticado.


O Alìsia é um vinho branco muito fácil de beber. Creio que agradará a muitas mulheres.  Tem um aroma frutado e na boca sabe a maça verde. De cor clara, é muito suave e a sua acidez é quase inexistente. É fresco e convidativo.Este vinho convida a um fim de tarde numa praia, numa esplanada num tom descontraído e entorpecido. Faz-se uma pequena viagem por Itália.

Adicionar legenda

Comentários

  1. É um prazer ler estas abordagens despretensiosas de uma amante de bons vinhos. Depreende-se isso dos vários posts que tenho lido. Esta leitura e cuidado colocado na escrita fazem-me saltar do ecrã do computador e aterrar em Itália como se estivesse a visitar as diferentes regiões. Gosto quando leio e sinto que o conhecimento sai enriquecido. Parabéns Paula Cordeiro.

    ResponderEliminar
  2. Estive na Itália mês passado, tive a oportunidade de degustá-lo num restaurante de um hotel, próximo ao Vaticano a convite de uns amigos. Achei fantástico, realmente não se percebe a acidez, mas é de um frescor inigualável. Não sou grande entendedor de vinhos, mas sou um grande apreciador. Todos que estavam reunidos adoraram. Acredito que agrada a muitos paladares. Para quem ainda não experimentou, prove!

    ResponderEliminar
  3. Estive na Itália mês passado, tive a oportunidade de degustá-lo num restaurante de um hotel, próximo ao Vaticano a convite de uns amigos. Achei fantástico, realmente não se percebe a acidez, mas é de um frescor inigualável. Não sou grande entendedor de vinhos, mas sou um grande apreciador. Todos que estavam reunidos adoraram. Acredito que agrada a muitos paladares. Para quem ainda não experimentou, prove!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O vinho é de todos

Já poucos são os que se deixam intimidar pelas críticas, considerações ou gostos e tendências marcadas pelos escanções ou sommeliers sobre o vinho. Cada vez mais o vinho está a popularizar-se na curiosidade, na experiência e na procura de conhecimento. Muitos são aqueles e aquelas que querem estar no mundo do vinho, fazendo disso a celebração da vida, sem que isso seja uma profissão ou um oráculo a que só uns têm acesso, arriscando compras arrojadas e experimentando vinhos pelas castas, pelas regiões, experimentando sem que isso seja condicionado pelo que vêem ou lêem.
Para a popularidade do vinho contribui a crescente oferta com maior informação e maior acesso. Contribui certamente uma oferta diversificada e sustentada com maior acesso à informação e imagens mais trabalhadas do vinho. Mas sobretudo a qualidade dos vinhos. Os produtores estão cada vez mais activos no processo de criação de um vinho e proximidade com o consumidor, são construtores de marcas sólidas com histórias para co…

Segredos de S. Miguel Reserva 2013

Deixo-vos aqui outro vinho da Herdade de S. Miguel. Já tínhamos provado o Herdade de São  Miguel Branco, com excelente nota. Desta feita o Segredos de S. Miguel Reserva Tinto 2013.
A Herdade de S. Miguel, deste vinho, está situada no concelho do Redondo, no Alentejo. Apresenta-nos nesta marca o Branco, Tinto, Rosé e Reserva Tinto. 
O Segredos de S. Miguel Reserva 2013 é um vinho Reserva Tinto reconhecido mundialmente, uma vez que foi distinguido no concurso mundial de vinho 2014 com uma medalha de prata.
As castas seleccionadas para o Segredos de S. Miguel Reserva 2013 foram Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca e Touriga Nacional.
É um vinho com uma cor rubi densa, o aroma é frutado e muito bem estruturado. Na boca no início percebe-se a madeira e baunilha, tem notas de especiarias e de chocolate no final. O final é prolongado e muito suave. Nota: 8.1 (0-10)

Subsídio Tinto 2013

Excelente vinho tinto Alentejano. A trazer orgulho à região do Alentejo, este tinto pertencente à casa Lima Mayer. Com as castas , Alicante Bouchet, Syrah e Cabernet Sauvignon, confere ao vinho tinto estrutura e ao mesmo tempo leveza com muitos toques de frutos o que o torna muito agradável para uma tarde descontraída de Outono. Sente-se a fruta do vinho, quando se bebe existe uma sensação adocicada de cereja, algo prolongado o que faz deste vinho tinto mais suave.  As castas do subsídio no que confere a aromas e sabores conferem sabores intensos, complexos, firmes e muita cor, o que faz do Subsídio Tinto de 2013, um bom vinho que recomendo. Nota: 8.5