Avançar para o conteúdo principal

Os rosés

Perguntavam-me outro dia: Gostas mais de Rosé não é? Não, não é. Gosto de todos os vinhos assim sejam bons para mim.
Mas o Rosé foi uma descoberta em 2008, quando jantava num bom restaurante e a carta se fazia acompanhar dos vinhos e onde tinham uma espécie de harmonização imediata dos pratos que ofereciam. A titulo das experiências com o meu prato veio o Barranco Longo Rosé 2008 Algarve. O facto de estar no Algarve e beber um vinho do Algarve, por si só achei piada.
Foi uma surpresa, afinal as terra algarvias podiam produzir excelente vinho. A outra surpresa foi o facto de ser um Rosé que nada tinha a ver com aquele sentimento de vinho químico que tive a primeira vez que bebi e deveria ser praticamente adolescente.
Este vinho tinha uma cor sublime de purpura vivido brilhante, com aroma frutado de frutos vermelhos e um toque de maracujá. Parecia um néctar. Assim eu o entendi como vinho. Este vinho pós-me a beber Rosé e a fazer verdadeiras incursões no mundo do Rosé. Vinhos mais leves e fáceis de beber e uma verdadeira descoberta no mundo do vinho. E assim começa, apesar de ter sempre gostado, a minha verdadeira aventura no mundo do vinho.
Por hoje é tudo e para primeiro dia.
Apenas uma pequena nota para terminar, já que faço aqui apenas uma única referência de vinho. O Barranco Longo Rosé apesar de me ter despertado irreversivelmente é, hoje em 2015 e fazendo a prova de 2014 ou 2013, um vinho diferente, que já não tem as mesmas características e que me traz um sentimento saudoso daquele raro momento, em que provamos um vinho e temos a sensação de fazer uma descoberta de algo valioso. É assim o vinho para mim quando é bom.

They asked me the other day: Do you like more Rosé right? No, I d'ont. Tastes and all colors of wines are good to me, if they are really good.
But Rosé was a breakthrough in 2008, when he dined in a good restaurant and the menu was accompanied of wines and where they had a kind of immediate harmonization of the dishes they offered. In the name of the experiences with my dish came the Barranco Longo Rosé 2008 Algarve. The fact of being in the Algarve and drink a wine Algarve it was funny.
It was a surprise, after all the Algarve could produce excellent wine. The other surprise was the fact of being a Rosé that had nothing to do with that feeling of chemical wine that I had the first time I drank and should be virtually teenager.
This wine had a purple color of sublime lived bright with fruity aroma of red fruits and passion fruit touch. It looked like a nectar. So I understood this wine. This experience put drinking  Rosé wine and to make real inroads into the world of Rosé. Lighter wine and drink easy and a real breakthrough in the world of wine begins, although he always liked wine my real adventure in the world of wine stars here.
Thats it for today, and for the first day.
Just a little note to end, as I do here only a single reference wine. The Barranco Longo Rosé although I have awakened irreversibly is today in 2015 and taking the tastes in 2014 or 2013 I think is a different wine today, which no longer has the same characteristics and that brings me a wistful feeling of that rare moment in which tasted a wine and we feel make a discovery of something valuable. So is the wine for me when it's good.

p_cordeiro@yahoo.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Segredos de S. Miguel Reserva 2013

Deixo-vos aqui outro vinho da Herdade de S. Miguel. Já tínhamos provado o Herdade de São  Miguel Branco, com excelente nota. Desta feita o Segredos de S. Miguel Reserva Tinto 2013.
A Herdade de S. Miguel, deste vinho, está situada no concelho do Redondo, no Alentejo. Apresenta-nos nesta marca o Branco, Tinto, Rosé e Reserva Tinto. 
O Segredos de S. Miguel Reserva 2013 é um vinho Reserva Tinto reconhecido mundialmente, uma vez que foi distinguido no concurso mundial de vinho 2014 com uma medalha de prata.
As castas seleccionadas para o Segredos de S. Miguel Reserva 2013 foram Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca e Touriga Nacional.
É um vinho com uma cor rubi densa, o aroma é frutado e muito bem estruturado. Na boca no início percebe-se a madeira e baunilha, tem notas de especiarias e de chocolate no final. O final é prolongado e muito suave. Nota: 8.1 (0-10)

Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011

Às vezes a vida tem coisas irónicas ou muitas vezes pronto! Nunca pensei que pudesse beber um dos melhores vinhos com quem estive beber. Não que esta pessoa não tivesse bom gosto, pelo contrário. Mas porque tudo tem um tempo na vida. E esta época surge numa altura de menor celebração. 
Estava eu a dizer que lá bebi o melhor vinho tinto até hoje, na modéstia do meu conhecimento. 
Sentada à mesa do Solar dos Presuntos, em grande companhia, provei o melhor vinho tinto deste nosso Portugal, do Douro. Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011. Que vinho sublime! Que néctar dos deuses! Que obra prima!
Portugal no seu melhor.
Cor vibrante, forte e vigoroso. Com uma força de aroma elegante e floral, uma verdadeira sensualidade aromática.
Sente-se uma grande complexidade mas com uma leveza de chocolate e fruta madura. É um vinho notável pela leveza e voracidade com que se bebe. Fresco e vibrante. Foi decantado e servido a uma temperatura de 16 graus. Uma estrutura sólida e encorpada, s…

Mar de Lisboa Branco 2013

Na senda dos vinhos de Lisboa e novamente a Quinta da Chocapalha, outro vinho branco absolutamente delicioso. Castas de Arinto e Verdelho, confere ao vinho uma doçura equilibrada, percebe-se mais mineralizado que o Mar da Palha, mas com um agradável sabor. É um vinho muito fresco, jovem e leve. Tem um aroma e sabor mais citrino e tropical. Igualmente com uma imagem muito apelativa e bem construída, este vinho entra na categoria dos brancos de à beira da praia, sem ser acompanhado por mais nada. Nota: 8.8