Avançar para o conteúdo principal

Icewine Pilliteri Cabernet Franc 2004



Muitos de vocês sabem o que é Icewine, mas hoje escrevo para os que não sabem e faço nota de prova do Pilliteri Cabernet Franc 2004.

A natureza tem um efeito incontornável em qualquer produção de vinho. Se pensarmos que o clima, as contingências de exposição dos terrenos ou de eventos não esperados, sabemos que não conseguimos controlar a natureza e felizmente esta é uma das situações mais enigmáticas da produção de vinho e talvez aquela que nos dá sempre uma sensação de redescoberta nas mesmas marcas ao longo dos anos. No Icewine sente-se o poder da natureza e consegue-nos proporcionar uma experiência única e um momento de deleite. Não é comparável.

Como introdução do Icewine julgo que vale a pena perceber a origem e a produção. Este vinho pertence à categoria dos vinhos sobremesa, é uma espécie de néctar, com um sabor intenso de fruta e delicioso, asseguro-vos.

Não existe uma definição exacta para sabermos qual a origem deste vinho, sendo que se acredita que o primeiro produtor possa ter sido a Alemanha, no entanto o grande produtor neste momento e talvez o mais evoluído será o Canadá. Este que provámos era do Canadá.

O extraordinário deste vinho doce é que é feito a partir das uvas congeladas, concentra em si um elevado nível de açúcar, pois o mosto leva a uma fermentação muito mais lenta do que o normal. Pode levar meses para completar a sua fermentação (em comparação com dias ou semanas para os vinhos regulares). Por causa do menor rendimento dos mostos das uvas e da dificuldade de processamento, os Icewine são significativamente mais caros do que os outros vinhos e geralmente são vendidos em garrafas mais pequenas, desde garrafas de 50 ml até 350 ml.  
São precisos meses desde a colheita da uva até ao engarrafamento. Nos meses frios as uvas vão murchar e congelar nas videiras, concentrando os açúcares, os ácidos e as essências frutadas. É o toque da natureza e do gelo que vai determinar a qualidade do Icewine. As uvas são colhidas numa temperatura de 7 ou 8º negativos, em condições adversas. Como referi, são precisas mais uvas para fazer um determinado volume de Icewine do que o normal dos vinhos e o tempo de espera prolongado das uvas nos terrenos deixa-as susceptíveis a serem comidas por aves ou mesmo expostas a certas doenças, ao mofo, à chuva e ao vento que podem arruinar uma produção completa. E é por isso que é o vinho mais caro do mundo. A produção do Icewine é um jogo contra a mãe natureza, que muitas vezes resulta em rendimentos baixos de produção, e às vezes inexistentes, lutando contra congelamento e sono, quem apanha estas uvas entra numa corrida contra o tempo. Só pela produção este vinho já é notável e digno de uma prova.

Icewine é doce, como outros vinhos de sobremesa, mas as uvas usadas para fazer isso geralmente não estão infectadas com a podridão nobre. Podridão nobre é causada pelo fungo botrytis cinerea, e o sabor que confere ao vinho é uma parte fundamental de alguns famosos vinhos de sobremesa, no Icewine não entra.

As castas do Icewine podem ser muitas, aliás podemos encontrar à venda Icewine de Riesling, Gewürztraminer, Vidal, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon e outras. Este que provei era canadiano com a casta Cabernet Franc. Esta é uma casta leve e suave, de médio corpo e muitas vezes apresenta características vegetais, tem um aroma de frutas tropicais e especiarias.

O sabor deste Icewine Pilliteri Cabernet Franc 2004 é uma espécie de perfume para o palato, leve, com um sabor de pêssego, damasco e mel, foi uma notável e excelente experiência, recomendo num bom almoço entre amigos, uma boa gargalhada e histórias de vinho.

Apenas para finalizar, julgo que não existe nenhum produtor em Portugal de Icewine.
Nota: 8.7 (0-10)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Segredos de S. Miguel Reserva 2013

Deixo-vos aqui outro vinho da Herdade de S. Miguel. Já tínhamos provado o Herdade de São  Miguel Branco, com excelente nota. Desta feita o Segredos de S. Miguel Reserva Tinto 2013.
A Herdade de S. Miguel, deste vinho, está situada no concelho do Redondo, no Alentejo. Apresenta-nos nesta marca o Branco, Tinto, Rosé e Reserva Tinto. 
O Segredos de S. Miguel Reserva 2013 é um vinho Reserva Tinto reconhecido mundialmente, uma vez que foi distinguido no concurso mundial de vinho 2014 com uma medalha de prata.
As castas seleccionadas para o Segredos de S. Miguel Reserva 2013 foram Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca e Touriga Nacional.
É um vinho com uma cor rubi densa, o aroma é frutado e muito bem estruturado. Na boca no início percebe-se a madeira e baunilha, tem notas de especiarias e de chocolate no final. O final é prolongado e muito suave. Nota: 8.1 (0-10)

Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011

Às vezes a vida tem coisas irónicas ou muitas vezes pronto! Nunca pensei que pudesse beber um dos melhores vinhos com quem estive beber. Não que esta pessoa não tivesse bom gosto, pelo contrário. Mas porque tudo tem um tempo na vida. E esta época surge numa altura de menor celebração. 
Estava eu a dizer que lá bebi o melhor vinho tinto até hoje, na modéstia do meu conhecimento. 
Sentada à mesa do Solar dos Presuntos, em grande companhia, provei o melhor vinho tinto deste nosso Portugal, do Douro. Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011. Que vinho sublime! Que néctar dos deuses! Que obra prima!
Portugal no seu melhor.
Cor vibrante, forte e vigoroso. Com uma força de aroma elegante e floral, uma verdadeira sensualidade aromática.
Sente-se uma grande complexidade mas com uma leveza de chocolate e fruta madura. É um vinho notável pela leveza e voracidade com que se bebe. Fresco e vibrante. Foi decantado e servido a uma temperatura de 16 graus. Uma estrutura sólida e encorpada, s…

Vinho para envelhecer

Deve o vinho ser bebido entre os 3 ou 4 anos seguintes ao seu ano?
De facto, ainda ninguém me conseguiu dar uma explicação para este facto. Porque é que os franceses continuam a abrir garrafas Château Margaux da década de 60 como se de relíquias se tratasse e para outros vinhos não. Claro que os vinhos que se podem guardar para envelhecimento são os reconhecidamente bons. Ou seja, aqueles vinhos de posicionamento mais alto. Mas quais? Mas em Portugal quando temos um vinho de 2005 a resposta é "já está estragado", "isso já não presta", a não ser que sejam as Barca Velhas ou outros do estilo. Será que é mesmo assim? Não sempre!
Há uns tempos atrás disseram-me que para guardar era melhor ser reserva. Cá está, reserva é um vinho melhor que os outros, regra geral. Mas claro que não existe uma explicação cabal sobre o que se pode guardar e o que não se pode.  Vi outro dia uma garrafa de Barca Velha à venda já muito antiga, não me recordo o ano exacto, mas deveria ter …