Avançar para o conteúdo principal

Temperatura Ideal


Algo polémico este assunto entre os consumidores. Tudo o que diz respeito à temperatura do vinho deve ser tomado em consideração para todos os tipos de vinho, mas interessa-me mais falar do tinto, porque não é tão óbvio que deva ser bebido desta ou daquela maneira. 
De volta e meia, encontramos os vinhos servidos à temperatura ambiente. Por si, esta palavra ambiente já pode ser aterradora. De volta e meia, não temos informação sobre a que temperatura deve ser bebido o vinho. Por isso, os mais acautelados andam para todo o lado com o termómetro, como forma de garantirem que bebem o vinho no seu melhor: à temperatura ideal. Mas se não há indicação é um tiro no escuro. 
Ora se consegue acertar e se faz uma prova revelando todos atributos que o vinho tem, para deleite do consumidor. Ora não se consegue acertar e quase com a garrafa no fim acabamos por ficar desconsolados, achando por vezes que o vinho não seria tão bom, mas nem percebendo que podemos ter arruinado uma prova só pela temperatura.
Neste assunto também temos uma dispersão do que se acha e o que deve ser e sobretudo criar experiências como consumidor. Existem aqueles que, independentemente de tudo, consomem o que quer que escolham e nem pensam nisso. Existem aqueles que acham que o arrefecimento do vinho tinto é uma pateguice e que o vinho tinto deve ser bebido à temperatura ambiente. Depois, existem aqueles como eu que acham que cada vinho tinto é uma  personalidade e que a sua temperatura é absolutamente essencial para a concretização da experiência. 
Não tenho nada contra nem a favor sobre os que não se importam ou os que querem vinho à temperatura ambiente. Mas se pensarmos bem nisto, concluímos que os que não se importam, também não se importam com a experiência, mero acto de beber. Os que acham uma pateguice, gostam em temperatura ambiente, apenas pode ser por pura herança de conhecimento, ou seja, aprenderam, assim. 
Tenham em consideração o seguinte: Dezembro, salas de restaurante aquecidas servem vinho tinto na ordem dos 22 a 24 graus, isto quando a sala não está excessivamente quente devido à cozinha, podendo até chegar a temperaturas mais altas. E mais, nem sempre sabemos onde o vinho é guardado. Acontece a maior parte das vezes que o vinho está ali ao pé de nós, nas mesmas temperaturas a que estamos expostos. Não é à toa que o vinho deve ser preservado em caves mais frescas e escuras, não sendo sujeito a processos que o podem degradar. Saber guardar o vinho e saber servir o vinho à temperatura ideal pode ser quase assombroso, pelo que me apercebi nos ultimo tempos, mais atenta a este tipo de factos. Mas compensador.
Bem sei que ninguém gosta de ler grandes testamentos sobre nada, mas fica aqui apenas um alerta sobre como aumentar a excelente experiência de vinho tinto.
Já agora, para os mais distraídos. O vinho tinto deve ser bebido da seguinte forma, os mais leves e novos de 14º a 16º, os médios de 16º a 17º, os mais velhos e encorpados de 16º a 18º. No entanto, o ideal sempre é respeitar o que o produtor diz no contra-rótulo, sempre que houver indicação. Mas daqui retire-se uma lição, o respeito pelas temperaturas é fundamental para a boa experiência, mas o que cada um gosta ainda mais.
Na parte que me toca, gosto de conseguir a temperatura ideal e sempre que acontece e o vinho tinto é bom, a experiência torna-se excepcional.
Boas provas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Segredos de S. Miguel Reserva 2013

Deixo-vos aqui outro vinho da Herdade de S. Miguel. Já tínhamos provado o Herdade de São  Miguel Branco, com excelente nota. Desta feita o Segredos de S. Miguel Reserva Tinto 2013.
A Herdade de S. Miguel, deste vinho, está situada no concelho do Redondo, no Alentejo. Apresenta-nos nesta marca o Branco, Tinto, Rosé e Reserva Tinto. 
O Segredos de S. Miguel Reserva 2013 é um vinho Reserva Tinto reconhecido mundialmente, uma vez que foi distinguido no concurso mundial de vinho 2014 com uma medalha de prata.
As castas seleccionadas para o Segredos de S. Miguel Reserva 2013 foram Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca e Touriga Nacional.
É um vinho com uma cor rubi densa, o aroma é frutado e muito bem estruturado. Na boca no início percebe-se a madeira e baunilha, tem notas de especiarias e de chocolate no final. O final é prolongado e muito suave. Nota: 8.1 (0-10)

Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011

Às vezes a vida tem coisas irónicas ou muitas vezes pronto! Nunca pensei que pudesse beber um dos melhores vinhos com quem estive beber. Não que esta pessoa não tivesse bom gosto, pelo contrário. Mas porque tudo tem um tempo na vida. E esta época surge numa altura de menor celebração. 
Estava eu a dizer que lá bebi o melhor vinho tinto até hoje, na modéstia do meu conhecimento. 
Sentada à mesa do Solar dos Presuntos, em grande companhia, provei o melhor vinho tinto deste nosso Portugal, do Douro. Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011. Que vinho sublime! Que néctar dos deuses! Que obra prima!
Portugal no seu melhor.
Cor vibrante, forte e vigoroso. Com uma força de aroma elegante e floral, uma verdadeira sensualidade aromática.
Sente-se uma grande complexidade mas com uma leveza de chocolate e fruta madura. É um vinho notável pela leveza e voracidade com que se bebe. Fresco e vibrante. Foi decantado e servido a uma temperatura de 16 graus. Uma estrutura sólida e encorpada, s…

Mar de Lisboa Branco 2013

Na senda dos vinhos de Lisboa e novamente a Quinta da Chocapalha, outro vinho branco absolutamente delicioso. Castas de Arinto e Verdelho, confere ao vinho uma doçura equilibrada, percebe-se mais mineralizado que o Mar da Palha, mas com um agradável sabor. É um vinho muito fresco, jovem e leve. Tem um aroma e sabor mais citrino e tropical. Igualmente com uma imagem muito apelativa e bem construída, este vinho entra na categoria dos brancos de à beira da praia, sem ser acompanhado por mais nada. Nota: 8.8