Avançar para o conteúdo principal

Temperatura Ideal


Algo polémico este assunto entre os consumidores. Tudo o que diz respeito à temperatura do vinho deve ser tomado em consideração para todos os tipos de vinho, mas interessa-me mais falar do tinto, porque não é tão óbvio que deva ser bebido desta ou daquela maneira. 
De volta e meia, encontramos os vinhos servidos à temperatura ambiente. Por si, esta palavra ambiente já pode ser aterradora. De volta e meia, não temos informação sobre a que temperatura deve ser bebido o vinho. Por isso, os mais acautelados andam para todo o lado com o termómetro, como forma de garantirem que bebem o vinho no seu melhor: à temperatura ideal. Mas se não há indicação é um tiro no escuro. 
Ora se consegue acertar e se faz uma prova revelando todos atributos que o vinho tem, para deleite do consumidor. Ora não se consegue acertar e quase com a garrafa no fim acabamos por ficar desconsolados, achando por vezes que o vinho não seria tão bom, mas nem percebendo que podemos ter arruinado uma prova só pela temperatura.
Neste assunto também temos uma dispersão do que se acha e o que deve ser e sobretudo criar experiências como consumidor. Existem aqueles que, independentemente de tudo, consomem o que quer que escolham e nem pensam nisso. Existem aqueles que acham que o arrefecimento do vinho tinto é uma pateguice e que o vinho tinto deve ser bebido à temperatura ambiente. Depois, existem aqueles como eu que acham que cada vinho tinto é uma  personalidade e que a sua temperatura é absolutamente essencial para a concretização da experiência. 
Não tenho nada contra nem a favor sobre os que não se importam ou os que querem vinho à temperatura ambiente. Mas se pensarmos bem nisto, concluímos que os que não se importam, também não se importam com a experiência, mero acto de beber. Os que acham uma pateguice, gostam em temperatura ambiente, apenas pode ser por pura herança de conhecimento, ou seja, aprenderam, assim. 
Tenham em consideração o seguinte: Dezembro, salas de restaurante aquecidas servem vinho tinto na ordem dos 22 a 24 graus, isto quando a sala não está excessivamente quente devido à cozinha, podendo até chegar a temperaturas mais altas. E mais, nem sempre sabemos onde o vinho é guardado. Acontece a maior parte das vezes que o vinho está ali ao pé de nós, nas mesmas temperaturas a que estamos expostos. Não é à toa que o vinho deve ser preservado em caves mais frescas e escuras, não sendo sujeito a processos que o podem degradar. Saber guardar o vinho e saber servir o vinho à temperatura ideal pode ser quase assombroso, pelo que me apercebi nos ultimo tempos, mais atenta a este tipo de factos. Mas compensador.
Bem sei que ninguém gosta de ler grandes testamentos sobre nada, mas fica aqui apenas um alerta sobre como aumentar a excelente experiência de vinho tinto.
Já agora, para os mais distraídos. O vinho tinto deve ser bebido da seguinte forma, os mais leves e novos de 14º a 16º, os médios de 16º a 17º, os mais velhos e encorpados de 16º a 18º. No entanto, o ideal sempre é respeitar o que o produtor diz no contra-rótulo, sempre que houver indicação. Mas daqui retire-se uma lição, o respeito pelas temperaturas é fundamental para a boa experiência, mas o que cada um gosta ainda mais.
Na parte que me toca, gosto de conseguir a temperatura ideal e sempre que acontece e o vinho tinto é bom, a experiência torna-se excepcional.
Boas provas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O vinho é de todos

Já poucos são os que se deixam intimidar pelas críticas, considerações ou gostos e tendências marcadas pelos escanções ou sommeliers sobre o vinho. Cada vez mais o vinho está a popularizar-se na curiosidade, na experiência e na procura de conhecimento. Muitos são aqueles e aquelas que querem estar no mundo do vinho, fazendo disso a celebração da vida, sem que isso seja uma profissão ou um oráculo a que só uns têm acesso, arriscando compras arrojadas e experimentando vinhos pelas castas, pelas regiões, experimentando sem que isso seja condicionado pelo que vêem ou lêem.
Para a popularidade do vinho contribui a crescente oferta com maior informação e maior acesso. Contribui certamente uma oferta diversificada e sustentada com maior acesso à informação e imagens mais trabalhadas do vinho. Mas sobretudo a qualidade dos vinhos. Os produtores estão cada vez mais activos no processo de criação de um vinho e proximidade com o consumidor, são construtores de marcas sólidas com histórias para co…

Segredos de S. Miguel Reserva 2013

Deixo-vos aqui outro vinho da Herdade de S. Miguel. Já tínhamos provado o Herdade de São  Miguel Branco, com excelente nota. Desta feita o Segredos de S. Miguel Reserva Tinto 2013.
A Herdade de S. Miguel, deste vinho, está situada no concelho do Redondo, no Alentejo. Apresenta-nos nesta marca o Branco, Tinto, Rosé e Reserva Tinto. 
O Segredos de S. Miguel Reserva 2013 é um vinho Reserva Tinto reconhecido mundialmente, uma vez que foi distinguido no concurso mundial de vinho 2014 com uma medalha de prata.
As castas seleccionadas para o Segredos de S. Miguel Reserva 2013 foram Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca e Touriga Nacional.
É um vinho com uma cor rubi densa, o aroma é frutado e muito bem estruturado. Na boca no início percebe-se a madeira e baunilha, tem notas de especiarias e de chocolate no final. O final é prolongado e muito suave. Nota: 8.1 (0-10)

Subsídio Tinto 2013

Excelente vinho tinto Alentejano. A trazer orgulho à região do Alentejo, este tinto pertencente à casa Lima Mayer. Com as castas , Alicante Bouchet, Syrah e Cabernet Sauvignon, confere ao vinho tinto estrutura e ao mesmo tempo leveza com muitos toques de frutos o que o torna muito agradável para uma tarde descontraída de Outono. Sente-se a fruta do vinho, quando se bebe existe uma sensação adocicada de cereja, algo prolongado o que faz deste vinho tinto mais suave.  As castas do subsídio no que confere a aromas e sabores conferem sabores intensos, complexos, firmes e muita cor, o que faz do Subsídio Tinto de 2013, um bom vinho que recomendo. Nota: 8.5