Avançar para o conteúdo principal

Clarete 2006 Quinta do Monte d'Oiro



Tudo à volta do vinho tem uma imensa e longa história para contar. O vinho começa há tantos séculos atrás que o património é gigante e sobretudo com uma evolução que me deixa quase sempre vários dias a descobrir os infinitos detalhes de um assunto que até parece pequeno.
Há uns anos atrás descobri o clarete, com a marca Clarete 2006, Quinta do Monte D’Oiro do produtor José Bento dos Santos. Absolutamente imperdível. Primeiro porque esta é uma nova classificação, pouco conhecida e surpreendente. Surpreendente porque é qualquer coisa entre o vinho tinto e o vinho rosé, com uma leveza no aroma e no sabor únicas. Depois porque o vinho é absolutamente divinal. A sua produção foi bem conseguida, respeitou os aspectos primordiais da essência do clarete.
Muitos de vocês não saberão que existe este tipo de vinho chamado Clarete. O clarete é uma especialidade de Bordeaux era um vinho que há vários séculos atrás era muito exportando para o Reino Unido. Isto na Idade Média. O termo original é clarait em francês e rapidamente começou a ser usado com a pronúncia inglesa como claret, para descrever o Bordeaux tinto. O clarete tem uma personalidade mais vigorosa que um vinho rosé, mas é menos tânico que um tinto. Isto é claro, porque o método de produção deixa muito pouco tempo as cascas no processo de vinificação e por isso ganha menos cor e tem menos taninos. Tem cor rosa-escura ou rubi claro, tem uma cor linda, limpinha e brilhante, é frutado e muito fácil de beber. É um vinho que se deve beber fresco, mas não muito fresco, diria que nos 12º.

Este vinho pouco colorido ou tinto claro que dá pelo nome clarete em Portugal ou palhete tem um processo que adiciona uvas brancas. As informações de percentagem de uva branca são díspares nas várias fontes. Mas nem sempre este vinho é obtido com uvas brancas, pode ser apenas uvas pretas cujo processo de permanência da casca da feitura do vinho é mais diminuto, fazendo, como já referi, com que a sua cor seja clara e límpida. Um dos melhores vinhos que seguramente provei. Nota: 9.2

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Segredos de S. Miguel Reserva 2013

Deixo-vos aqui outro vinho da Herdade de S. Miguel. Já tínhamos provado o Herdade de São  Miguel Branco, com excelente nota. Desta feita o Segredos de S. Miguel Reserva Tinto 2013.
A Herdade de S. Miguel, deste vinho, está situada no concelho do Redondo, no Alentejo. Apresenta-nos nesta marca o Branco, Tinto, Rosé e Reserva Tinto. 
O Segredos de S. Miguel Reserva 2013 é um vinho Reserva Tinto reconhecido mundialmente, uma vez que foi distinguido no concurso mundial de vinho 2014 com uma medalha de prata.
As castas seleccionadas para o Segredos de S. Miguel Reserva 2013 foram Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca e Touriga Nacional.
É um vinho com uma cor rubi densa, o aroma é frutado e muito bem estruturado. Na boca no início percebe-se a madeira e baunilha, tem notas de especiarias e de chocolate no final. O final é prolongado e muito suave. Nota: 8.1 (0-10)

Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011

Às vezes a vida tem coisas irónicas ou muitas vezes pronto! Nunca pensei que pudesse beber um dos melhores vinhos com quem estive beber. Não que esta pessoa não tivesse bom gosto, pelo contrário. Mas porque tudo tem um tempo na vida. E esta época surge numa altura de menor celebração. 
Estava eu a dizer que lá bebi o melhor vinho tinto até hoje, na modéstia do meu conhecimento. 
Sentada à mesa do Solar dos Presuntos, em grande companhia, provei o melhor vinho tinto deste nosso Portugal, do Douro. Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa Tinto 2011. Que vinho sublime! Que néctar dos deuses! Que obra prima!
Portugal no seu melhor.
Cor vibrante, forte e vigoroso. Com uma força de aroma elegante e floral, uma verdadeira sensualidade aromática.
Sente-se uma grande complexidade mas com uma leveza de chocolate e fruta madura. É um vinho notável pela leveza e voracidade com que se bebe. Fresco e vibrante. Foi decantado e servido a uma temperatura de 16 graus. Uma estrutura sólida e encorpada, s…

Vinho para envelhecer

Deve o vinho ser bebido entre os 3 ou 4 anos seguintes ao seu ano?
De facto, ainda ninguém me conseguiu dar uma explicação para este facto. Porque é que os franceses continuam a abrir garrafas Château Margaux da década de 60 como se de relíquias se tratasse e para outros vinhos não. Claro que os vinhos que se podem guardar para envelhecimento são os reconhecidamente bons. Ou seja, aqueles vinhos de posicionamento mais alto. Mas quais? Mas em Portugal quando temos um vinho de 2005 a resposta é "já está estragado", "isso já não presta", a não ser que sejam as Barca Velhas ou outros do estilo. Será que é mesmo assim? Não sempre!
Há uns tempos atrás disseram-me que para guardar era melhor ser reserva. Cá está, reserva é um vinho melhor que os outros, regra geral. Mas claro que não existe uma explicação cabal sobre o que se pode guardar e o que não se pode.  Vi outro dia uma garrafa de Barca Velha à venda já muito antiga, não me recordo o ano exacto, mas deveria ter …